31 dezembro 2010

onde estou?

devo estar

........e..m.......a.l...g....u..m.........l.u..g....a...r

entre

as minha experiências (subjetivas)
e
as minnhas análises (objetivas)


 .





.

29 dezembro 2010

1/2 + 1/2

aos meus 28 anos de idade
foi um momento na minha vida
da tomada de decisões
que me marcaram profundamente
sabia muito das minhas ambições
pelo menos a aparente...
mas menos sabendo das minhas limitações




agora passados mais 28 anos
não sei como olhar
esses passados
aliás, sei sim...
sei do meu jeito

26 dezembro 2010

eu

.
o que eu sinto, eu não ajo.
o que ajo, não penso.
o que penso, não sinto.
do que sei, sou ignorante.
do que sinto, não ignoro.
não me entendo
e ajo como se
me entendesse
            clarisse linspector
.
.

24 dezembro 2010

há exatamente 1 ano atrás....

há um ano atrás
o passado se revelou
as pessoas com quem convivi
tão intimamente....
não eram como eu os viam
escondidas de mim
na calada da noite
faziam coisas


aliás, na verdade
eu os tinha como um fato
em outras palavras
acreditava cegamente na minha visão


preferia não saber
a ser enganado
aliás, se me examinar bem
eu não sei, não há como saber
ser enganado, é viagem minha


fui obrigado a aprender
na marra que
as pessoas fazem
do jeito que elas querem
e não do meu jeito
as pessoas fazem 
com as razões próprias delas
e não com as minhas


e agora
quase vinte anos depois
a questão permanece: . . .
- tinha mesmo alguém

na minha árvore?



"yamaguishi fields forever", parafraseando lennon em "Strawberry Fields Forever"

11 dezembro 2010

motivação 2

na sinceridade
na real
devo admitir que
dentre as minhas motivações
a necessidade de aprovação

a necessidade de aceitação

dos outros

é o que trago
desde quando?


não está bom assim...
não estou bem assim...
desse jeito, não serei aceito...

a motivação deturpada, inflexa







26 novembro 2010

interrogação( ? ), exclamação( ! ) e ponto final( . )

todo conhecimento humano
foi construído a partir de pontos de interrogação
não de exclamação
muito menos de pontos finais

24 novembro 2010

Sacks mostra como mente "cria" mundo


Novo livro do escritor aborda reconstruções da percepção quando área visual do cérebro tem descompasso

Cegos que ainda são capazes de "ver" e os mistérios da visão em 3D dominam nova obra do neurologista inglês


Moacyr Lopes Junior-19.5.05/Folhapress

Oliver Sacks em palestra em SP

REINALDO JOSÉ LOPES
EDITOR DE CIÊNCIA 

Autor de romances policiais, o canadense Howard Engel chegou a imaginar que estava sendo vítima de uma estranha conspiração ao tentar ler o jornal numa manhã de julho de 2001.

"Quando eu focalizava as letras, ora pareciam cirílico [alfabeto do russo e de outras línguas eslavas], ora coreano", contou Engel em carta ao neurologista e escritor britânico Oliver Sacks. Não era um plano maligno da KGB: Engel tivera um derrame numa pequena área do lado esquerdo do cérebro.

Anedotas como essa se juntam como as peças de um quebra-cabeças em "O Olhar da Mente", livro de Sacks que acaba de chegar ao Brasil. A mensagem mais ampla é clara: não há nada de automático na maneira como achamos que vemos o mundo.

Histórias como as de Engel mostram que o conjunto olho-cérebro está menos para câmera digital e mais para simulador de realidade virtual, usando pistas às vezes enviesadas para construir um modelo do mundo na cabeça de cada pessoa.

Na entrevista abaixo, Sacks fala da relação entre ciência e literatura e diz que a interface entre cérebro e máquinas tem potencial para revolucionar o modo como os sentidos funcionam.






 
Folha - Como é que o sr. normalmente escolhe o fio condutor de um livro? O sr. começa com o tema na cabeça e depois busca relatos de pacientes que se encaixem na ideia, ou é o contrário?Oliver Sacks - Depende muito de quem me contata, do que acontece no meu cotidiano. Acidentes desempenham um papel muito grande para um médico. As coisas não são nem de longe tão sistemáticas quanto o cotidiano de um cientista.


Por que ainda é raro ver livros sobre ciência serem reconhecidos como literatura?
Fico tentado a dizer que algumas pessoas naturalmente vão gostar mais desse tipo de obra do que outras. Não penso em mim mesmo como um homem de letras. O que tento é dizer as coisas com a maior clareza e maior naturalidade possíveis.

Acho que é importante ler em voz alta. Quando escrevo, tento ouvir cada frase na minha cabeça, e acho que esse ouvido para o que se está escrevendo é crucial.


Os casos extremos que o sr. descreve ajudariam a mostrar que até as pessoas que chamamos de normais apenas usam seu cérebro para construir uma espécie de modelo do mundo, que nunca é a mesma coisa que o "mundo real" em si?
Em primeiro lugar, não penso em meus casos como extremos. Acho que eles apenas são os mais exemplares, digamos.

Quando falamos de coisas como o ato da leitura, ou a capacidade de reconhecer rostos, a tendência é considerar essas habilidades como algo natural. E as pessoas não têm a menor ideia de como essas coisas funcionam.

Isto é, a menos que você as analise. E ver pessoas cujas faculdades de reconhecimento foram esfaceladas faz, por exemplo, com que seja possível perceber que certa capacidade está associada a certa parte do cérebro.

Dessa maneira, você aprende que é possível saber o que a leitura ou o reconhecimento de rostos são em todas as demais pessoas. Ou seja: estudar um cérebro anormal lança muita luz sobre os cérebros normais.


Na última década, as pesquisas cujo objetivo é criar interfaces entre o cérebro humano e as máquinas avançaram muito. Qual o potencial dessas tecnologias para mudar a maneira como as pessoas percebem o mundo?
Conectar o cérebro a máquinas que possam se movimentar é muito empolgante para pessoas que ficaram paralisadas, pessoas que estão "trancadas" dentro do próprio cérebro por causa de alguma lesão e não possuem nenhum modo de se comunicar com o mundo exterior.
Na parte final do meu livro, abordo a chamada substituição sensorial, na qual uma câmera de vídeo é conectada a eletrodos implantados na língua do paciente.

Essa pessoa, então, é capaz de interpretar esses estímulos sensoriais na língua como uma percepção visual, mesmo que ela não enxergue. Isso não exige a implantação de eletrodos no cérebro. Mas nós vemos e ouvimos com nosso cérebro, e em breve vai ser possível -é algo que já foi conseguido em modelos animais- enxergar com essas interfaces.
E isso vai revolucionar a medicina.



Cérebro "maleável" explica estranhas habilidades

Uma palavrinha técnica crucial está por toda a parte no livro de Sacks e mostra que uma revolução na maneira como se entende o cérebro triunfou. O termo-chave é "plasticidade".
 

A plasticidade cerebral é o oposto da ideia de que não dá para ensinar truques novos a cachorro velho. Durante muito tempo, neurologistas e biólogos acreditaram que, depois de um "período crítico", da gestação aos primeiros anos de vida, o cérebro se tornava um órgão pouco maleável, incapaz de grandes reorganizações de funções e capacidades. Qualquer dano ao conjunto seria irreparável.

Muita coisa mudou, no entanto, a começar pela descoberta, nos anos 1990, de que o cérebro adulto é capaz de gerar novos neurônios. E o acompanhamento de pacientes como os que estrelam "O Olhar da Mente" mostra que é possível remodelar a arquitetura cerebral para compensar deficiências graves ou adquirir habilidades que parecem sobrenaturais.

No primeiro quesito, uma das histórias mais emblemáticas é a de Sue Barry, neurobióloga que nasceu com estrabismo grave e foi submetida a cirurgias para corrigir os músculos dos olhos dos dois aos sete anos de idade.

Apesar disso, nunca desenvolveu visão binocular normal, a única que permite uma visão 3D "natural". Já na meia-idade, novas lentes para os óculos e cansativos exercícios fizeram com que ela finalmente aprendesse a ver o mundo em 3D.

O resultado só pode ser descrito como uma epifania: o volante do carro parece "pular" na direção dela; de repente, ela percebe o espaço entre o garfo e o prato. "Gostaria de tirar um dia para andar por aí e OLHAR", escreve.

Outra tribo fascinante do livro é a dos cegos visuais, cujo cérebro manteve a capacidade de manipular imagens "virtuais". Entre eles, se destaca o australiano Zoltan Torey, que passou até a projetar equipamentos depois de perder a visão.

O OLHAR DA MENTE
AUTOR Oliver Sacks
TRADUÇÃO Laura Teixeira Motta
EDITORA Companhia das Letras
QUANTO R$ 44 (232 pág
s.)

21 novembro 2010

senso

..
entre o real
e o irreal,

o senso
de realidade,
..
ainda que
nos resta,
que
o perca,
..
acato,
acat,
aca,
ac,
a,
.

10 novembro 2010

motivação

se  a
 

motivação 

é antecipação do prazer, 

o que tenho
 
como  

prazer?

?

08 novembro 2010

eu e a minha família

olhar-me a fundo siginifica
conhecer a minha própria família

conhecer a minha própria família
significa olhar-me a fundo

15 outubro 2010

De como Serra teria afundado o Brasil

reproduzo aqui, um post da minha amiga wall...

http://walkyria-suleiman.blogspot.com/2010/10/de-como-serra-teria-afundado-o-brasil.html

Gentefina, por favor, como um carinho especial com esta que vos fala, tenham a paciência de assistir a esse vídeo. Se não por mim, pela nação.

Vocês se lembram da crise financeira mundial em 2008? Se lembram então como Lula foi criticado por seus atos e palavras dizendo que aqui no Brasil a crise não seria um Tsunami, mas uma marolinha? Seus adversários mais ferrenhos, eram do PSDB, encabeçados por....

Assite gentefina, assiste vai. Nem precisa comentar, nem precisa nada. Só assiste e pensa.

by Wall



.....
...
..
.

06 outubro 2010

Totyan - A Thousand Winds







A Thousand Winds

Do not stand at my grave and weep.
I am not there, I do not sleep.

I am a thousand winds that blow.
I am the diamond glints on snow.
I am the sunlight on ripened grain.
I am the gentle autumun's rain.

When you awaken in the morning's hush,
I am the swift uplifting rush
Of quiet birds in circled flight.
I am the soft stars that shine at night.

Do not stand at my grave and cry;
I am not there, I did not die.



Mil Ventos

Não chore
Não fique ai na frente
Não estou ai neste jazigo

Eu não estou aí
Nem estou dormindo
Eu me tornei em mil ventos

Que sopram na vastidão desse céu
Eu sou a neve cintilante como diamante no inverno
Eu sou a luz do sol sobre o grão amadurecido
Eu sou a chuva suave do outono
Eu sou o som da revoada das aves

Que vai despertar-te na manhã silenciosa
Eu sou as estrelas que brilham macias à noite
Que cuidadosamente te olham

Não fique aí no meu túmulo chorando
Eu não estou lá
Eu não morri

Eu sou o mil ventos
Que acariciam o teu rosto





千の風

私のお墓の前で 泣かないでください
そこに私はいません 眠ってなんかいません
千の風に 千の風になって
あの大きな空を 吹きわたっています

秋には光になって 畑にふりそそぐ
冬はダイヤのように きらめく雪になる
朝は鳥になって あなたを目覚めさせる
夜は星になって あなたを見守る


私のお墓の前で 泣かないでください
そこに私はいません 死んでなんかいません
千の風に 千の風になって
あの大きな空を 吹きわたっています
あの大きな空を 吹きわたっています

03 outubro 2010

Religião é componente genético...






 













http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI138443-17770,00-RELIGIAO+E+COMPONENTE+GENETICO+AFIRMA+AUTOR.html


Religião é componente genético, afirma autor

Britânico Nicholas Wade, autor do livro The Faith Instinct, defende que a seleção natural privilegiou os humanos religiosos

por Érika Kokay

Nicholas Wade, repórter especializado em ciência do New York Times, juntou religião e as ideias evolutivas de Darwin - duas coisas aparentemente opostas. Em seu livro: The Faith Instinct (O Instinto de Fé, sem edição no Brasil), defende que a religiosidade é um comportamento universal humano, presente em todas as sociedades, e provavelmente moldada pela seleção natural em milhares de anos. Para ele, todos nós temos um instinto religioso, que nos faz querer ter fé.

A relação do repórter com a religiosidade começou no Eton College, no condado inglês de Buckingham. Fundada pelo rei da Inglaterra Henrique VI, a escola manteve seu currículo quase intacto ao longo dos mais de 500 anos que separam sua fundação, em 1440, do ingresso de Nicholas Wade, durante o colegial. Devido à grade secular, ele aprendeu latim e grego, estudou diversas religiões e frequentava a igreja duas vezes ao dia, exceto aos domingos. “Eu acho que essa familiaridade com os hinos e com a liturgia da Igreja da Inglaterra me fez apreciar a religião e me ajudou a entender porque ela tem sido uma força tão poderosa ao longo da história”, diz Wade.

Em seu livro, ele reúne citações de antropólogos, sociólogos, economistas, historiadores, psicólogos, teólogos para mostrar ao mundo com quanto de fé se constrói um homem. Nicholas Wade conversou conosco sobre seu livro - que é de ciência, segundo ele. “Enquanto a base genética para o comportamento religioso existir, as pessoas estarão inclinadas em relação à religião”, ele destaca. Confira a entrevista

Seu livro é um livro religioso ou um livro de ciência?
Olho para a religião a partir da perspectiva da ciência e, mais especificamente, da teoria da evolução. Portanto, é um livro de ciência - um livro de ciência sobre a religião.

Há quanto tempo o homem é religioso?
Toda sociedade humana conhecida tem alguma forma de religião. Desde que a religião é como um comportamento distintivo, é altamente improvável que cada sociedade tenha desenvolvido sua religião de forma independente. Religião deve ter sido um dos comportamentos que as sociedades humanas herdaram da população ancestral antes que estas se dispersassem por todo o globo. Como a dispersão da população humana moderna ocorreu há cerca de 50 mil anos, a religião deve existir há pelo menos esse tempo.

E quando ela teve início?
Ninguém sabe. Os rituais religiosos, com base em danças e cantos sem palavras, poderiam ter existido antes mesmo da linguagem. Mas a data em que a linguagem evoluiu também é desconhecida, só se sabe que foi depois de nos separarmos dos chimpanzés, há 5 milhões de anos, e antes da dispersão da população humana moderna, há 50 mil anos.

As religiões podem estar conectadas em um ponto de origem comum?
A população ancestral humana era muito pequena, houve um ponto em que não éramos mais de 5.000 pessoas. Pode ser que, nesta época, existisse uma religião única, a partir da qual todas as religiões de hoje são descendentes.

E por que isso é importante?
Novas religiões são formadas quando uma seita se separa de uma religião-mãe, e isso significa que, em um princípio, todas as religiões do mundo podem estar postas em uma única árvore de descendência. Isto é importante porque mostra a unidade da religião. Também nos ensina a olhar para as ligações históricas entre as religiões, que os autores religiosos podem ter tido o cuidado de ocultar. O Islã, por exemplo, pode ter raízes profundas no cristianismo, mas não é evidente.

A religiosidade trouxe benefícios à evolução dos seres humanos? 

A religião resolveu, de forma muito eficiente, um problema difícil: como o nosso cérebro cresceu, cada indivíduo pode calcular melhor o seu próprio interesse e colocá-lo à frente do interesse do grupo. Mas uma sociedade em que todos colocam seu próprio interesse em primeiro plano se fragmentará brevemente.

A religião era uma maneira de dar coesão ao grupo. Com cânticos e rituais, fez com que todos se comprometessem com as regras, que foram criadas para promover comportamentos que ajudariam o grupo. Este compromisso não foi uma promessa ou uma intenção consciente. O compromisso criado pela religião é profundo, emocional, e muito mais difícil de ser ignorado. Grupos ligados à religião tiveram um forte tecido social, e seus membros estavam mais dispostos a defendê-los, mesmo a sacrificar suas próprias vidas na batalha por aquela religião.

E como a seleção natural está ligada a isso?
Os primeiros humanos eram bastante territoriais e agressivos. Nesta circunstância, a seleção natural teria favorecido os grupos mais religiosos, uma vez que tinham um grupo mais coeso, mais unido, e conseguiram prevalecer mais vezes contra os seus inimigos. Por fim, os genes para os comportamentos religiosos se tornaram universais na população humana inicial.

Essa teoria da seleção natural vem sido criticada por muitos cientistas.
Os seres humanos são animais altamente sociais, e sua sociabilidade deve ter evoluído de alguma forma. Mas a sociabilidade - o que significa colocar os interesses da sociedade à frente do próprio interesse - constitui um sério desafio para a teoria evolutiva, uma vez que qualquer esforço para ajudar outras pessoas prejudica os esforços para resolver as próprias necessidades.  Os biólogos evolucionistas não estão de acordo com a resposta a esta questão, então eu não posso resolvê-la. Mas eu acho que a seleção natural pode favorecer grupos, assim como indivíduos. A ideia foi proposta inicialmente pelo próprio Darwin, embora seja impopular no momento. Alguns biólogos, como E. O. Wilson (vencedor de dois Pulitzer e apontado pela Time em 1995 como uma das 25 pessoas mais influentes dos Estados Unidos), já se manifestaram a favor da seleção de grupos e espero que ela se torne mais difundida no futuro.

Por que algumas religiões sobreviveram – e se tornaram dominantes – e outras não?
É difícil separar o que molda uma sociedade bem-sucedida do que molda uma religião bem-sucedida. É claro que as duas coisas estão ligadas. Uma religião que molda a sua sociedade com mais coesão se espalha melhor em detrimento de outras; em primeiro lugar dentro da sociedade e, em seguida, conquistando outras sociedades.  Dentro do Império Romano, por exemplo, o cristianismo mostrou-se mais atraente do que a religião romana tradicional. Uma vez adotado como religião oficial, o destino do cristianismo estava ligado ao do Império Romano. O Islã propagou-se no interior das áreas conquistadas pelos árabes. O judaísmo não é uma religião do Império, mas sobreviveu por causa da tenacidade com que seus seguidores a abraçaram. Os judeus, por sua vez, não teriam sobrevivido sem a sua religião.

Você acredita que o tempo mudou o tipo de religião que as pessoas precisam?
Sim, as religiões tradicionais parecem estar perdendo sua influência, certamente na Europa.

Por que então as pessoas ainda têm o desejo de acreditar em algo?
As pessoas ainda têm o desejo de acreditar porque um instinto para o comportamento religioso foi incorporado pela evolução no circuito neural do cérebro - este é o principal argumento do livro. Assim, mesmo as pessoas que não acreditam nas religiões tradicionais vão buscar a iluminação espiritual de outras formas.

Então, há um ponto de vista que diz que a religiosidade é boa, mesmo se Deus não existir?
Se você acredita que a religião é uma força coesa, como eu, então a religião foi certamente boa para a maioria das sociedades no passado e ainda pode ser importante hoje.

Finalmente, qual é o futuro da religião?
Enquanto a base genética para o comportamento religioso existir, as pessoas estarão inclinadas em relação à religião e as sociedades farão uso desta tendência. No entanto, a intensidade do comportamento religioso pode subir ou descer, dependendo de outras circunstâncias. Em países de estado de bem-estar social, como a Suécia, as pessoas podem não ver muita necessidade da religião, mas o instinto ainda está lá, e a religião pode se tornar mais popular no futuro. Fora da Europa, grande parte do mundo (incluindo os Estados Unidos) ainda é muito religiosa, e há pouca base para prever que, em breve, a religiosidade irá desaparecer.

30 setembro 2010

O Movimento de Extinção Humana Voluntária




fui atrás da identidade de "o coisa", que postou um comentário no post [morte & velório, by kurosawa],  fui visitar o blog dele, e num dos link indicados por ele estava isso aqui. à primeira vista, parece brincadeira, mas que nada !!


Chimamanda Adichie: O perigo da história única



video indicado pelo amigo yuri (http://yuribrancoli.blogspot.com/)

17 setembro 2010

a morte - velorio - by Akira Kurosawa


uma passagem de filme "sonhos" de kurosawa.
um rapaz, se perde nas andanças e  entra em contato com um vilarejo onde os moradores tem a forma de vida harmoniosa com a natureza.

o rapaz: está tendo um festa na vila hoje?
o velho: não, aquilo é um velorio, uma cerinonia de enterro. e não faça cara feia. o velória na sua essencia, é algo para festejar. viveu bem, trabahou bem, e no final poder dizer: bom descanso!! isso é coisa para se comemorar!... como não tem padres nem igrejas nessa vila, as pessoas, todos  levam os mortos até o cemitério cantando e dançando!!..  mas, crianças e rapazes novos morrerem, isso não deveria acontecer... não dá pra festejar..., mas por sorte, de maneira geral, as pessoas da vila tem morrido de acordo com o avançar da idade.... a velhiha que está sendo enterrada, faleceu com 99 anos...ah, eu preciso ir ao enterro ....
  ela foi o meu primeiro amor da minha vida, pois então, ela me deixou de coração quebrado, e se casou com outro....








29 agosto 2010

deus

...
porque criamos os deuses
provavelmente criado pela nossa consciência de pecado
uma eficiente forma de obter estabilidade pscicológica

e por falar em deus, tem uma lista de ateus/agnósticos famosos > aqui. 

listei alguns conhecidos : Albert Einstein, Aldus Huxley, Alfred Hitchcock, Andréa Beltrão(atriz), Angelina Jolie, Antonio Banderas, Antônio Fagundes, Arthur C. Clarke, Arthur Miller, Arthur Schopenhauer, Bill Gates, Brad Pitt, Barack Obama, Bertrand Russell, Björk, Bruce Lee, Bruce Willis, Burt Lancaster, Caetano Veloso, Carl Sagan, Charles Chaplin, Chico Buarque, Christopher Reeve, Camila Pitanga, Carl Sagan, Carlos Drummond de Andrade, Cassia Eller, Charles Chaplin, Charles Darwin, Che Guevara, Chico Anysio, Cláudia Raia, Daniel Dennett, David Bowie, Dalton Trevisan, David Hume, Dercy Gonçalves, Diane Keaton, Dias Gomes, Drauzio Varella, Epicuro, Edward O. Wilson, Erich Fromm, Ernest Hemingway, Federico Fellini(cineasta), Fernando Alonso, Fidel Castro, Francis Crick, Friedrich Nietzsche, Fernando Henrique Cardoso, Ferreira Gullar, Frank Zappa, Friedrich Engels, George Carlin, George Clooney, George Orwell, George Soros, Gore Vidal, Graciliano Ramos, Hélio Schwartsman, Herbert de Souza (Betinho), Herbert Marcuse, Isaac Asimov, Ingmar Bergman, James Cameron, James Watson, Jimmy Wales(Wikipédia), Jodie Foster, John Lennon,  Jorge Amado, José Saramago, Jean-Paul Sartre, Lobão, João Cabral de Melo Neto, Josef Stalin,  Juca Kfour,  Karl Marx,  Karl Popper, Leonardo da Vinci, Leila Diniz, Lima Duarte (ator), Leon Trotsky,  Linus Benedict Torvalds, Lima Duarte, Linus Pauling, Luis Buñuel, Luís Carlos Prestes, Mario Lago, Mario Quintana, Marie Curie, Marcelo Gleiser,  Mao Tsé Tung,  Malu Mader,  Machado de Assis, Marilena Chauí, Mark Twain, Monteiro Lobato, Mark Zuckerberg, Marlon Brando,  Martin Heidegger,  Michel Foucault, Mick Jagger, Miguel Nicolelis, Mikhail Bakunin, Mikhail Gorbachov, Millôr Fernandes, Nando Reis, Noam Chomsky, Oscar Niemeyer, Olga Benário Prestes,  Oliver Sacks,  Omar Sharif, Oscar Filho,  Oswald de Andrade,  Pablo Neruda, Pablo Picasso, Paulo Autran,  Paulo César Pereio,  Paulo Francis, Paulo Freire, Pier Paolo Pasolini, Ricardo Boechat, Richard Dawkins, Robin Williams, Roger Waters, Rosa Luxemburgo,  Raul Pompéia, Raul Seixas, Renato Russo, Richard Straus, Rosa Luxemburgo, Rubem Alves, Rubem Fonseca, Stephen Hawking, Steve Jobs, Suzana Herculano-Houzel, Sean Penn, Sebastião Salgado, Sigmund Freud, Simone de Beauvoir, Sócrates, Stephen Hawking, Stephen Jay Gould, Tony Bellotto, Umberto Eco, Vinicius de Moraes, Woody Allen, Ziraldo.

http://www.pitzer.edu/academics/faculty/zuckerman/atheism.html
ranking de 50 países com maior % de ateus/agnostico na população
01 Suécia 8,986,000 85% 7,638,100
02 Vietname 82,690,000 81% 66,978,900
03 Dinamarca 5,413,000 80% 4,330,400
04 Noruega 4,575,000 72% 3,294,000
05 Japão 127,333,000 65% 82,766,450
06 Czech Republic 10,246,100 61% 6,250,121
07 Finlandia 5,215,000 60% 3,129,000
08 França 60,424,000 54% 32,628,960
09 Korea do Sul 48,598,000 52% 25,270,960
10 Estonia 1,342,000 49% 657,580
11 Alemanha 82,425,000 49% 40,388,250
12 Russia 143,782,000 48% 69,015,360
13 Hungria 10,032,000 46% 4,614,720
14 Holanda 16,318,000 44% 7,179,920
15 Inglaterra 60,271,000 44% 26,519,240
16 Belgica 10,348,000 43% 4,449,640
17 Bulgaria 7,518,000 40% 3,007,200
18 Eslovenia 2,011,000 38% 764,180
19 Israel 6,199,000 37% 2,293,630
20 Canada 32,508,000 30% 9,752,400
21 Latvia 2,306,000 29% 668,740
22 Slovakia 5,424,000 28% 1,518,720
23 Suissa 7,451,000 27% 2,011,770
24 Austria 8,175,000 26% 2,125,500
25 Australia 19,913,000 25%  4,978,250
26 Taiwan 22,750,000 24% 5,460,000
27 Espanha 40,281,000 24%  9,667,440
28 Iceland 294,000 23%  67,620
29 Nova Zelandia 3,994,000 22%  878,680
30 Ucraina 47,732,000 20% 9,546,400
31 Belarus 10,311,000 17% 1,752,870
32 Greciae 10,648,000 16% 1,703,680
33 Korea do Norte 22,698,000 15%  3,404,700
34 Italia 58,057,000 15% 8,708,550
35 Armenia 2,991,000 14% 418,740
36 China 1,298,848,000 14%  181,838,720
37 Lithuania 3,608,000 13% 469,040
38 Singapura 4,354,000 13% 566,020
39 Uruguai 3,399,000 12% 407,880
40 Kazakhstan 15,144,000 12% 1,817,280
41 Estonia 1,342,000 11% 147,620
42 Mongolia 2,751,000 9% 247,590
43 Portugal 10,524,000 9%  947,160
44 USA 293,028,000 9%  26,822,520
45 Albania 3,545,000 8% 283,600
46 Argentina 39,145,000 8% 3,131,600
47 Kyrgyzstan 5,081,000 7% 355,670
48 Rep. Dominicana 8,834,000 7% 618,380
49 Cuba 11,309,000 7%  791,630
50 Croatia 4,497,000 7% 314,790

26 agosto 2010

provas e certezas




prefiro ter provas sem ter certezas...

e se você insiste em ter certezas sem ter provas...

22 agosto 2010

"A Origem"

"inception"

- a origem de onde vem as minhas manifestações
- o inconsciente (ou a sub-consciêncai)
- a culpa que carrego na inconsciência
- eu é que tive a idéia?
- ou algém plantou em mim?
- a dificuldade do acesso a memória
- a projeção (mútua) sobre o outro
- o que é o real?
- o que é a realidade?
- a orígem das minhas idéias?
- como me formei?

chega de mágoa - 1985

08 agosto 2010

collage - pai e filho

fim de semana em valinhos

as impressões
as imaginações - 
as sensações
as emoções
as experiências espirituais
os encontros com deus
os contatos extra-sensoriais (?)
as energias(?) sutis
as auras que (não) consigo ver

tudo isso
se diz respeito a
que acontece
dentro de mim


Pai e Filho



Father And Son

It's not time to make a change
Just relax, take it easy
You're still young, that's your fault
There's so much you have to know
Find a girl, settle down
If you want, you can marry
Look at me, I am old
But I'm happy

I was once like you are now
And I know that it's not easy
To be calm when you've found
Something going on
But take your time, think a lot
I think of everything you've got
For you will still be here tomorrow
But your dreams may not

How can I try to explain
When I do he turns away again
And it's always been the same
Same old story
From the moment I could talk
I was ordered to listen
Now there's a way and I know
That I have to go away
I know I have to go

It's not time to make a change
Just sit down and take it slowly
You're still young that's your fault
There's so much you have to go through
Find a girl, settle down
If you want, you can marry
Look at me, I am old
But I'm happy

All the times that I've cried
Keeping all the things I knew inside
And it's hard, but it's harder
To ignore it
If they were right I'd agree
But it's them they know, not me
Now there's a way and I know
That i have to go away
I know I have to go

05 agosto 2010

meu voto e as crianças...

olha..., sempre votei no lula. e dessa vez, tudo indica que dilma vai ganhar. eu estou inclinado a votar na marina. não a conheço pessoalmente, quem conhece é o romeu que esteve visitando-a em brasilia, a caminho da viagem que ele fez a acre para passar alguns meses com os indios axaninkas. ante ontem, ela ligou para romeu, convidando-o para a campanha. romeu me pareceu impressionado com as coisas ditas por ela no telefone. bem, o assunto principal não era isso. olhem o que achei no blog do nassif . o serra em visita a uma escola, as crianças espontaneamente gritam, lula!lula!lula!.. e o assessssssor, desesperado "falhou, falhou...,"  criança apronta cada uma!!! dizer que é hilário é pouco..

reynaldo de marília

1979 Congr.UNE Salvador BA, tava eu lá de fingindo de fotógrafo...
o reynaldo de marília fez med.veterinária numa turma depois de mim, junto com romeu no final dos anos 70. tempos de movimento estudantil, centro acadêmico, dce, poeira, refazendo, libelú, caminnhado... acabo de receber um email carinhoso, com esse vídeo. saudades!!! fui lá nos arquivos fuçar, achei essas fotos da época. cecéu, tuta, bethy, edú, mirian, dinho, zémauro, ruba, rodrigues, binho, ...


1980 - reynaldo, ceceu, eu e bety na república
1980 tuta, bethy, reynaldo, edu e eu
1976 - dce invadia pela PM, zémauro, mirian, reynaldo, bethy....


































"de: <reynaldo@flash.com.br>
para: <alam@minowa.com>,  <jose.mauro@hotmail.com>, <maria.celeste@ig.com.br>, romeu.leite@yamagishi.com> , <jose.roberto@tera.com.br>
data:    5 de agosto de 2010 00:10
assunto:    NASCEU PRONTO...
Nasceu pronto pra a eterna festa da vida, pagodes, etc....Fazero que ???
Festar, pagodear, farrear....Foi deus que quiz, não pode se negar!!! É o sobrinho do Alam, olhem bem o jeitinho do moleque!!!"


04 agosto 2010

03 agosto 2010

postagem de ontem

caracas, reli o post de ontem, achei que ficou pesado
foi só uns Ctfl+C e Ctrl+V nos vocábulos no Houaiss
que tiveram alguma ressonância
nesses meus últmos meses
que passei recluso

02 agosto 2010

Houaiss - as palavras e a (miha) vida .....

mmágoa:                                                                                                                                
a .desgosto recolhido cujas marcas transparecem no semblante, nas palavras; 

b. tristeza, amargura, pesar      
c. sensação desagradável causada por agravo ou indelicadeza; ressentimento
d. sentimento de pesar, de compaixão; dó, lástima, pêsame 


rancor:
a. sentimento de profunda aversão provocado por experiência vivida; forte ressentimento
b. ódio profundo, não expresso 

tristeza:                                                                                               
a. qualidade ou estado de triste; estado afetivo caracterizado pela falta de alegria, pela melancolia
b. caráter do que desperta esse estado
c.  falta de alento; desânimo, desalento, esmorecimento
d.  momento em que prevalece o estado de melancolia, de desânimo, de aflição


melancolia:                                                                                                
a: estado mórbido caracterizado pelo abatimento mental e físico que pode ser manifestação de vários problemas psiquiátricos, tendendo hoje a ser considerado mais como uma das fases da psicose maníaco-depressiva
c.  estado afetivo caracterizado por profunda tristeza e desencanto geral; depressão
d.  sentimento de vaga e doce tristeza que compraz e favorece o devaneio e a meditação



vingança:                                                                                   
a. ato lesivo, praticado em nome próprio ou alheio, por alguém que foi real ou presumidamente ofendido ou lesado, em represália contra aquele que é ou seria o causador desse dano; desforra, vindita
b. qualquer coisa que castiga; castigo, pena, punição


raiva:                          
a. acesso de fúria; arrebatamento violento; cólera, ira

b. sentimento de irritação, agressividade, rancor e/ou frustração, motivados por aborrecimento, injustiça ou rejeição sofridas etc.
c. aversão em relação a algo ou alguém; horror, ojeriza 


traição/traído:                                             
a. quebra da fidelidade prometida e empenhada por meio de ato pérfido; aleivosia, deslealdade, perfídia
b. infidelidade no amor 
c. que foi alvo de traição; atraiçoado 


desconfiança/desconfiado:                                             
a. disposição de espírito que leva as pessoas a não fiar nos outros, falta de confiança
b. característica do que está agastado; agastamento, desagrado, zanga
c. falta de esperança
d. que ou aquele que não confia, ou é dado a desconfiar
e. que ou o que receia ou teme; receoso, temeroso
f. que ou o que se zanga ou se melindra com facilidade


adultério/adulterar:                                                                                  
a. violação, transgressão da regra de fidelidade conjugal imposta aos cônjuges pelo contrato matrimonial, cujo princípio consiste em não se manter relações carnais com outrem fora do casamento

b. infidelidade estabelecida por relação carnal com outro(a) parceiro(a) que não o(a) companheiro(a) habitual
c. introduzir alteração em; modificar
d. produzir falsificação em (esp. em documentos); defraudar
e. corromper(-se) por; viciar(-se)  
f. cometer adultério ('violação da fidelidade conjugal') 


engano/enganar/enganado:                                                                                  
a. que se enganou,  próprio para enganar; enganoso
b. que incorreu ou incorre em erro; errado
c. vítima de logro; burlado, trapaceado

d. traído na confiança, na honra (diz-se de pessoa que mantém relação íntima com outra, com ou sem compromisso) 
e. acreditar ou fazer acreditar em algo que não é verdadeiro; agir dissimuladamente; burlar, lograr, mentir
f. esconder (de alguém ou de si mesmo) a verdade, a real situação
g. causar ou ter impressão sensorial, percepção, julgamento, avaliação que não corresponde à realidade; iludir(-se)
h.  provocar ou ser capaz de provocar erro de percepção ou de julgamento, devido a aspecto ou comportamento
i. proporcionar alívio a; abrandar, mitigar
j.  fazer com que decorra mais rápido e aprazivelmente
l. causar decepção a ou revelar-se decepcionante
m. errar involuntariamente, agindo ou pensando de modo diferente do que se desejava ou se era capaz; equivocar-se
n.  atrair a atenção ou a confiança através de falsas promessas; seduzir
o. seduzir (esp. moça virgem e menor) para manter conjunção carnal; deflorar, desonrar
p.  ser infiel a, trair (cônjuge, companheiro etc.); cometer adultério 

q. que se enganou, próprio para enganar; enganoso
t. que incorreu ou incorre em erro; errado
u.  vítima de logro; burlado, trapaceado
v. traído na confiança, na honra (diz-se de pessoa que mantém relação íntima com outra, com ou sem compromisso)


falso/falsidade/falsear:                                                                                  

a. tornar falso; falsificar
b. fazer alteração em; deturpar (idéias, declarações) 
c. cometer traição; enganar, trair (alguém)
d. não cumprir compromisso
e. romper, baldar
f. dar em falso; pisar em falso; resvalar

g. qualidade do que é falso; característica do que é contrário à verdade ou que dela se aproxima apenas na aparência
h. o que é falso ou enganoso; mentira, calúnia
i. maldade oculta; fingimento, hipocrisia
j. tendência para enganar; perfídia, deslealdade
l. crime contra a fé pública que consiste na alteração intencional da verdade com o intuito de prejudicar alguém
 
m. contrário à realidade ou à verdade; inexato, sem fundamento
n.  em que há mentira, fingimento, dolo
o.  que não é verdadeiro; fictício, enganoso,  impostor
p.
que é feito à semelhança ou à imitação do verdadeiro; falsificado
q. aparente, enganoso
t.  aquilo que é falso
u. mentira, calúnia, falsidade 



mentira/mentir:                                                                                  
a. ato ou efeito de mentir; engano, falsidade, fraude
b. afirmação contrária à verdade a fim de induzir a erro
c. qualquer coisa feita na intenção de enganar ou de transmitir falsa impressão
d. pensamento, opinião ou juízo falso
e.  aquilo que é enganador, que ilude, que se aproxima da verdade ou é real apenas na aparência; ilusão, fábula, ficção
f.
dizer, afirmar ser verdadeiro (aquilo que se sabe falso); dar informação falsa (a alguém) a fim de induzir ao erro
g.  não corresponder a (aquilo que se espera); falhar, faltar, errar
h. causar ilusão a; dissimular a verdade; enganar, iludir,  não revelar; esconder, ocultar
i.  faltar a (um dever, um compromisso) 
j. não vingar, não ir para frente; falhar
l. perder ou ter alteradas as qualidades; deixar de ser legítimo ou verdadeiro; degenerar-se, adulterar-se



o..o..o..o..o..o..o..o..o..o..o..o..o..o..o..oo..o..o..o..o..o..o..oo..o..o..o..o..o..o..oo..o..o..o..o..o..o..o
confesso que não foi fácil..., nem precisa dizer que conhecer as palavras ( o dicionário), não sigifica nada, a não ser que tenha experimentado, experienciado esses sentimentos/situações
e foi com tal densidade nunca vivida
o que me ajudou: pessoas em minha volta, todas elas, e talvez alguma infima capacidade minha inata/adquirida de auto-observação objetiva, uma prática que venho tentando implantar na minha vida cotidiana, no convívio com os meus entes queridos. diria que a prática de Naikan foi crucial para mim.
ganhos: algo de profundidade na minha vida
perdas: tempo perdido em sofrimentos, poderia tirar de letra, na verdade, gostaria que fosse...
saldo: esse eu de agora (uma pouco mais livre, livre de mim mesmo... +plus+ sentimento de amor)
enfim
entra-se com muita vontade e com pouca experiência
sai-se ainda com algumas vontades e com agora já com +plus+experiências, ainda que talvez insuficiente para a próxima parada. tem mais um: pude me conhecer um pouco mais.
e a vida continua...

my sweet lord

recebi esse arquivo do meu amigo horacio, arigato, horacio. bem, já tinha visto nos youtubes, e outros sites de video... hoje, domingão, sozinho porque a ines for para londrina cuidar da dona marina, fiquei ouvindo, lembrando os dos anos 70, eu com 18~20 anos, estava frequentando igreja, era crente mesmo, desses de ir todo domingo nos cultos, era bem careta mesmo, nada de maconha, nem alcool, sem conhecer nada desse mundo contracultural, movimento hippy, meditação, yoga, filosofia oriental, ... me marcou por causa da sonoridade, da melodia, não entendia nada da letra, do que se tratava... ok, depois que entrei na faculdade, parei de ir na igreja, fui conhecer outro ambiente, movimento estudantil, centro academico. só fui entrar em contato com esse mundo ja quando estava saindo da faculdade, quando conheci ines, dando aulas de yoga... ok, estava falando da musica, pois, então o cara era foda mesmo musicalmente, a letra é de devoção a hare krisna, ao brahma, vishnu, maheswarea, shivas, como ia dizendo eu não tinha e continuo não tendo esses deuses como minha referencia, nem reverência, (um agnóstico temporário incovicto). fui pesquisar sobre essa canção, olha só, foi acusado de plágio da música  "He's so Fine" (single de 1963), do grupo The Chiffons. ele negou, foi processado judicialmente, mas no fim, acabou comprando os direitos autorais da musica "he´s so fine", eita, (quase) nada que uma boa grana possa resolver. e olha a turma da pesada que tocaram em homenagem:  Eric Clapton, Dhani Harrison(filho único do George), Paul McCartney, Ringo Star, Phill Collins, Tom Petty, Billy Preston, Linda Eastman, Bob Dylan, Ravi Shankar,  Jethro Tull, The Cream...

My sweet lord
Hm, my lord
Hm, my lord

I really want to see you
Really want to be with you
Really want to see you lord
But it takes so long, my lord

My sweet lord
Hm, my lord
Hm, my lord

I really want to know you
Really want to go with you
Really want to show you lord
That it wont take long, my lord (hallelujah)

My sweet lord (hallelujah)
Hm, my lord (hallelujah)
My sweet lord (hallelujah)

I really want to see you
Really want to see you
Really want to see you, lord
Really want to see you, lord
But it takes so long, my lord (hallelujah)

My sweet lord (hallelujah)
Hm, my lord (hallelujah)
My, my, my lord (hallelujah)

I really want to know you (hallelujah)
Really want to go with you (hallelujah)
Really want to show you lord (aaah)
That it wont take long, my lord (hallelujah)

Hmm (hallelujah)
My sweet lord (hallelujah)
My, my, lord (hallelujah)

Hm, my lord (hare krishna)
My, my, my lord (hare krishna)
Oh hm, my sweet lord (krishna, krishna)
Oh-uuh-uh (hare hare)

Now, I really want to see you (hare rama)
Really want to be with you (hare rama)
Really want to see you lord (aaah)
But it takes so long, my lord (hallelujah)

Hm, my lord (hallelujah)
My, my, my lord (hare krishna)
My sweet lord (hare krishna)
My sweet lord (krishna krishna)
My lord (hare hare)
Hm, hm (gurur brahma)
Hm, hm (gurur vishnu)
Hm, hm (gurur devo)
Hm, hm (maheshwara)
My sweet lord (gurur sakshaat)
My sweet lord (parabrahma)
My, my, my lord (tasmayi shree)
My, my, my, my lord (guruve namah)
My sweet lord (hare rama)

[fade:]

(hare krishna)
My sweet lord (hare krishna)
My sweet lord (krishna krishna)
My lord (hare hare) 

15 julho 2010

「 絶対を願うもの           
  本当を願う者は
   物象界を本当の在り方にするために
   無現象界を本当の在り方に持って行かねば、
   現象を本当の在り方に持って行けない
                                               山岸巳代蔵口述   」

29 junho 2010

quem decide?

no fundo
no fundo
as decisões 
já estão tomadas 

antes 
que a 
consciência as faça

conhecer a si
siginifica
tentar
conhecer
a subconsciência

voltar os olhos
para o não aparente
tanto em mim
quanto nosoutros

13 junho 2010

アヒルの子 - O Patinho

http://ahiru-no-ko.com/
http://sayaka-ono.jugem.jp/




É o 1o. filme de Sayaka Ono (26 anos) realizado há 5 anos, junto com o término do seu curso de cinema.
O título do filme [ O Patinho ] é uma referencia à história do "Patinho Feio". 
É um documentário sobre a "família". Os 5 anos, foram o tempo necessário para maturar a estréia do filme, obtendo o aval e a permissão dos familiares.   

A personagem principal é a própria diretora que também atua no filme e retrata o seu próprio enfrentamento a cada um dos membros da sua família. 

A sua família é um típica família classe médida esclarescida, um aparente lar amoroso. 
Isso começa com a pré-escola da Vila Yamaguishi, quando ela foi "internada" aos 5 anos durante 1 ano, longe da familia, como parte da educação que seus pais desejaram para ela.
Veio carregando na subconsciência, a memória da época de que foi abandonada pelos pais.

E para que nunca mais fosse abandonada, veio se relacionando com os pais anulando a si mesma.
Veio atuando a boazinha.
O troco veio depois.
"Sou escrava da minha família". Para mudar a si mesma, ela vai a luta.
"Se não fizer isso, não posso mudar esse eu de até agora".

O grito do choro sem voz. No auge da respitação ofegante, o desepero e a sensação de não ter o chão.
Com o olhar determinado, vai explodir no outro a sua própria raiva, acumulada durante anos e anos desde a infancia.

A sua expressão é de vida ou morte.
Em lágrimas, joga todo sentimento aos da família o que nunca disse até então.
Para ela, revelar a raiva e os sentimentos ao outro, rasgando a máscara era extremamante sofrível, mais do que ficar nua em pele. Mas também necessário.

(tradução desse blog)




12 junho 2010

tempos

houve tempos
em que
vida sexual ainda sem um cunho amoroso
mulher/homem nada mais do que um(a) fêmea/macho
sob o manto discursivo da livrerdade
moviam-se secretamente/proibidamente

efeitos dos hormonios juvenis?
e agora?
transcenderam-se a si próprio?
a que deveria atribuir?

15 maio 2010

tulipas

estivemos visitanto holanda. era  primavera, fomos até keukenhof, onde anualmente fazem exposição de tulipas. (provavelmente da onde a expo-flora de holambra foi inspirada). foi uma over-dose de tulipas!!!!. cores, formatos, uniformidade, um padrão de qualidade impecável!! confesso que fiquei confuso, as cores enchendo os olhos, perdido nas sensações multicoloridas, achando tudo aquilo lindo maravilhoso  e ao mesmo tempo uma estranha noção de ser algo muito artificial, pareciam flores de plático..
http://picasaweb.google.com/alamkenjiminowa/AmsterdamKeukenhofTulipas?feat=directlink

e tem essa história da "mania da tulipa", que quasse arruniou a holanda nos anos 1.600. http://pt.wikipedia.org/wiki/Mania_das_tulipas
http://sites.google.com/site/akmreport/home/tulipas


essa quebradeira de bancos, a crise fianceira de ano passado, aconteceu igualzinho na holanda em 1637, com tulipas.

13 maio 2010

detestar

detestar a pessoa,
é porque existe de fato uma pessoa que detesto?
onde está esta pessoa?
isso se diz respeito a outra pessoa?
ou
eu é que tenho dentro de mim "uma pessoa que detesto"
é esse "eu", a questão...
não existe felicidade,
sem a resolução desse "eu".