11 abril 2010

EU ( 1 )

esse eu,
ao reconhecer a saudade de mim
vejo que vivendo eu vim
ainda que parcial-mente


esse eu,
ao pensar somente em mim
vejo que não me existiria
mesmo que só-mente


esse eu,
ao revisitar lugares onde estive
vejo que eram pessoas é que existiram
nem que seja vaga-mente

esse eu, 
ao me imaginar no agora
vejo que vivo estou
aqui já clara-mente


e
enfim


esse eu,
ao me objetivar no espaço
vejo que feliz já estou
agora já objetiva-mente

a verdadeira gênese de um corno manso, com uma sólida fundametação filosófica...

o primeiro chifre a gente nunca esquece
todo mundo é corno: a diferença está em saber ou não
e começa assim a gênese de um corno manso...