01 outubro 2009

Big Brother


Estudantes do Georgia Institute of Technology usam vídeos ao vivo para mapear veículos e pessoas no Google Earth. Seria possível assistir a uma partida de futebol ou checar o trânsito no seu caminho para o trabalho, tudo em tempo real. Ou ainda ver as nuvens se movendo, o clima mudando e até pássaros voando.

Imagine que alguém seja capaz de marcá-lo, colocar uma etiqueta, uma tag. Na teoria, bastaria ter acesso a câmeras de circuito fechado e esse sistema. Poderia marcar um carro na tela e, se tiver câmeras o suficiente pelo caminho, seguir o veículo aonde quer que ele vá. Na Inglaterra, por exemplo, isso seria muito fácil, pois há câmeras de circuito fechado praticamente em todo lugar. Isso para não falar de tags por radiofrequência.

É claro que nenhuma agência governamental teria interesse em usar isso para controlar os movimentos de alguém. Por que eles fariam isso?

Fonte: http://www.gizmodo.com.br

3 comentários:

  1. Isso iria ser mto útil para estudos biológicos (finalmente descobrir a rota de migração dos pássaros...). Acho pouco provável que o governo queira fazer algo a respeito, porque é muita gente (muita informação!). De fato, se todas as câmeras do mundo forem interligadas, vai ser possível fazer isso, mas tecnologicamente ainda é muito caro (imagina ter um streaming de vídeo em cada câmera, olha a largura de banda que ia precisar!). Processar vídeo em tempo real também é bem caro. Ainda vai demorar para acontecer um 1984 de verdade, mesmo porque (ainda bem que) vivemos numa democracia.

    ResponderExcluir
  2. hummm...acho que isso mais me assusta do que me anima...vou pensar mais um pouco....

    ResponderExcluir
  3. Como uma amiga muito bem definiu, o problema hoje não é mais a invasão, mas sim a evasão de privacidade.
    O T está certo: ainda é tecnologicamente complicado monitorar a população. Mas há dez anos era complicado ver vídeos em tempo real na internet.
    O que me preocupa é que quando isso for possível, acho que vai todo mundo mais é querer que seja assim. Vamos todos, como no livro, amar o Grande Irmão, que nos protege e garante nossa liberdade.
    Viva a democracia!

    ResponderExcluir

pitacos carinhosos